Socorro, no interior de São Paulo, é premiada por oferecer o melhor turismo responsável do mundo.

O que levou um município de relevo montanhoso e banhado por um rio acidentado, com inúmeras quedas d’água, tornar-se modelo mundial em turismo de acessibilidade? Pois, esse é o caso da Estância de Socorro. Localizada a 132 km da capital paulista, a cidade, que já era conhecida por sua vocação turística de aventura, tornou-se o primeiro destino do Brasil a ter turismo adaptado, próprio para receber pessoas com deficiências físicas ou mobilidade reduzida.

O trajeto por toda cidade pode ser feito com tranquilidade por quem tem necessidade de atendimento especial. Nas vias públicas há calçadas rebaixadas e rampas de acesso; os telefones públicos são adaptados para os deficientes auditivos e, no Horto Municipal há um jardim aromático com sinalização tátil, pisos alerta e direcional e ainda placas em braille desenvolvidas especificamente para deficientes visuais. Bares e restaurantes possuem cardápios em braille, além de banheiros adaptados. A cidade, que compõe o Circuito das Águas Paulistas atrai turistas de todo País, motivo este que impulsionou os gestores públicos e o setor de serviços a se mobilizarem na construção de uma cidade adaptada para receber pessoas com diferentes deficiências físicas, além de idosos. O projeto inicial – conhecido como Aventureiros Especiais – foi tão inovador, que em pouco tempo chamou a atenção do Ministério do Turismo, que, em 2005, selou parceria com a Prefeitura Municipal da Estância de Socorro e a ONG Aventura Especial.

Universidade Metodista

Para o prefeito da cidade, André Eduardo Bozola de Souza Pinto, a sensibilização determinou os resultados. “A cidade é um ser vivo e fomos impulsionados pela responsabilidade social; assim, diagnosticamos os pontos principais, discutimos e executamos todas as ações de forma compartilhada”, ressalta ele, frisando que a maior complexidadeestava no setor do turismo, já que a tarefa era viabilizar o acesso às atrações turísticas, como rampas de acesso, por exemplo. “Mas, o principal foi determinar as modalidades esportivas para este público e, portanto, se fez necessária a capacitação de profissionais e a criação de novos equipamentos que oferecessem segurança e autonomia ao aventureiro.

De acordo com o gestor, a proposta de acessibilidade urbana se estendeu aos serviços de utilidade pública e aos privados. “Contemplamos o maior número de espaços para que o deficiente físico, idoso e a gestante desfrutem de momentos agradáveis e seguros em nossa cidade”, resume.

A cidade completa a seleta lista dos Dez Destinos Referência em Segmentos Turísticos do Ministério do Turismo. Situada na Serra da Mantiqueira, Socorro é local ideal para quem busca a tranquilidade, com a esfuziante natureza, ou a emoção dos esportes de aventura, que se tornaram atração nacional devido às 24 modalidades praticadas em água, terra e ar.

Mas, o fato é que hoje, após dez anos de existência do projeto Aventura Acessível – chamado inicialmente de ‘Aventureiros Especiais’ -, a cidade interiorana oferece uma rede hoteleira praticamente 100% adaptada, despontando à frente das grandes capitais do Brasil. São de Socorro, por exemplo, os primeiros hotéis do País a receber o Certificado da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, em acessibilidade. Tanto o Hotel Fazenda Campo dos Sonhos, como o Hotel Fazenda Parque dos Sonhos preenchem a lista internacional dos melhores do mundo em infraestrutura para deficientes físicos ou pessoas com mobilidade reduzida. Ambos os estabelecimentos ostentam ainda o título Hotel Prêmio de Direitos Humanos 2014, concedido pelo Governo Federal, além do reconhecimento pela sustentabilidade, empreendedorismo e excelência nos serviços exercidos.

Reconhecimento Internacional

A credibilidade da Estância Hidromineral já ultrapassou fronteiras; o município obteve reconhecimento internacional e coleciona respeitáveis láureas, como o Prêmio Rainha Sofia de Acessibilidade, outorgado pelo Conselho Real para Deficiência, do governo espanhol, em março de 2014. No mesmo ano foi premiado pela World Travel Mark, de Londres, como O Melhor do Melhores em Turismo Responsável Mundial e o Melhor para Pessoas com Deficiência.

Uma Viagem de Inclusão

O Plano Nacional do Turismo, desenvolvido pelo Ministério do Turismo e Instituto Muito Especial do Rio de Janeiro, para os anos 2007-2010, trouxe o tema “ Uma Viagem de Inclusão”. A cidade de Socorro compôs a coligação das 13 cidades brasileiras envolvidas no programa.

Pautado nos parâmetros antropométricos estabelecidos na legislação federal em vigor no País e nas normas técnicas da ABNT, no que diz respeito à acessibilidade, definiu-se a criação de grupo composto por um deficiente visual, uma surda oralizada, um cadeirante e um idoso, com a missão de percorrer municípios e identificar as condições de acessibilidade nos hotéis, restaurantes e pontos turísticos.

Os bons resultados apresentados em Socorro, durante a experiência, já apontavam a cidade como modelo nacional em Turismo de Aventura e Acessibilidade, fato que fomentou as visitas de gestores públicos, empreendedores privados e representantes de outros destinos turísticos, no intuito de aprender como reaplicar as normas de Aventura e Acessibilidade em seus locais de origem. Ao final da experiência, o Ministério do Turismo publicou o livro Novos Rumos, que serviu de parâmetro para as cidades que sediaram a Copa do Mundo.

Recentemente, representantes da Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da Secretaria da Pessoa com Deficiência e do Comitê Organizador – Olimpíadas e Paralimpíadas Rio 2016 estiveram em Socorro conhecendo as adaptações que serviram de ideias para as Olimpíadas e Paraolimpíadas do Rio de 2016. Enfim, a soma dos resultados afirma a importância que a estrutura do ‘Aventura Acessível’, em Socorro, tem para o desenvolvimento e inclusão social no turismo nacional.

Na Prática

  • Implantação do projeto Turismo de Aventura e Acessibilidade
  • Prefeitura Municipal da Estância de Socorro – São Paulo, por meio da Secretaria de Turismo

– Adesão dos empresários e prestadores de serviço aos programas de qualificação e implementação de normas técnicas de Turismo de Aventura e acessibilidade.

– Governança local representativa e atuante, baseada no Comtur – Atuação continuada e liderança do poder público municipal que, apesar da troca de administração durante o projeto, manteve o processo em andamento e fortaleceu o destino.

– Preparação do destino para exposição na mídia, conquistando promoção espontânea devido ao tema inovador.

– Utilização de assessoria técnica para implementação das normas.

Mais informações:

[email protected]

Tel. (19) 3895-4252

Saiba mais:

As ações aplicadas tiveram referências nos instrumentos legais dos direitos da pessoa com deficiência e acessibilidade Lei no 13.146, de 6 de julho de 2015 – Lei de Inclusão da Pessoa com Deficiência.

– Estatuto da Pessoa com Deficiência Lei de Acessibilidade – Decreto-lei 5296/2004.

turismoacessivel.gov.br